A Cerca
Autor Desconhecido


 

 

  Era uma vez um menininho muito mal humorado e de péssimo temperamento. Tentando corrigi-lo, seu pai deu-lhe um saco de pregos com a recomendação de que a cada vez que perdesse a calma, deveria pregar um prego na cerca.

 

No primeiro dia, o menino pregou 17. Nas semanas seguintes, à medida que ia aprendendo a controlar seu temperamento, o número de pregos pregados na cerca diminuiu gradativamente.

Ele descobriu que era mais fácil se segurar do que pregar aqueles pregos na cerca. Finalmente, o dia chegou quando o menino não perdeu a calma mesmo. Ele então falou a seu pai sobre isto e o pai sugeriu que o menino, agora, tirasse da cerca um prego por cada dia sem perder a calma. Os dias se passaram e o menininho, então, estava finalmente pronto para dizer a seu pai que retirara todos os pregos da cerca. Seu pai pegou-o pela mão e foram até a cerca.

O pai disse:  "Você fez muito bem, meu filho, mas veja os buracos que restaram na cerca. A cerca nunca mais será a mesma! Quando você fala algumas coisas com raiva, elas deixam cicatrizes como esta aqui. Você pode enfiar a faca em alguém e retirá-la. Não importa quantas vezes você  peça desculpas, a ferida ainda estará lá. Um ferimento verbal é a mesma coisa que um ferimento físico. Amigos são como uma jóia preciosa. Eles nos fazem sorrir e nos encorajam sempre. Eles nos escutam, eles nos elogiam, e sempre querem abrir seus corações para nós."

Entrou por uma porta e saiu por outra...
Quem quiser que conte outra!

 

Voltar