VITÓRIAS E DERROTAS DE GLOBI
Título original:  GLOBI'S SIEGE UND NIEDERLAGEN
Criação de J. B. Schiele
Desenhos de Robert Lips
Narração de Alfred Bruggmann
Tradução de Luiz Gonzaga Fleury
Animações de Maux

 

LUTA ENTRE O BEM E O MAL

No coração, com veemência,
diz-nos a voz da consciência,
ou voz do nosso "eu moral":
- Fazei o bem, nunca o mal!

Levado por fortes ganas,
Globi quis furtar bananas...
- Furtar? Oh! não! Tem prudência!
Faze o bem!,
diz-lhe a consciência.

Globi, ouvindo-a, tremeu
e logo se arrependeu.
Com nobre resolução,
resistiu à tentação.

E achou pouco dominar-se.
Quis até sacrificar-se:
foi dar de esmola a um menidgo
tudo o que tinha consigo...

Mal o fizera, porém,
arrependeu-se também...
Disse: A consciência, afinal,
fez-me tão sentimental!

E ouviu dela esses preceitos:
Reflete sempre em teus feitos,
bons ou maus! Diariamente
lança-os num livro. É prudente!

NÃO SE PAGA O MAL COM O MAL

Doces! Compre-me, é favor!
É auxílio aos pobres, senhor!
pede Globi. O homem grita:
-Vai-te! Ninguém te acredita!

Globi, que, na realidade,
vendia por caridade,
pensa: Isso é insulto! Avarento!
Você me paga! É um momento...

Que homem! Esmolas não dava
e ao pobre a porta trancava!
A chaminé, no espigão,
fumava como um vulcão...

Globi subiu ao telhado
e pos-se logo sentado
na chaminé, satisfeito
por se vingar do sujeito.

A casa ficou tomada
por fumaça represada.
Ao sentir-se sufocado,
o dono fugiu danado.

Globi julgou ter vencido,
mas depois, arrependido,
disse: Eu errei, afinal,
pagando o mal com o mal...

O PRÊMIO DO BEM É A INGRATIDÃO

Globi resmunga, magoado:
Serviços que eu, de bom grado,
presto aos homens, estes raro
me agradecem, bem reparo.

Melhor que os homens, decerto,
é o cão que vejo aqui perto.
Se eu o soltar da corrente,
ficará grato e contente.

Firme nessa conclusão,
de pronto soltou o cão.
Mas, este, livre, rosnou
e os dentes arreganhou...

Em vez de a cauda abanar
e de grato se mostrar,
saltou contra o benfeitor,
e o perseguiu com furor.

Globi fugiu arquejante,
até que, num dado instante,
pega o cão, luta e - que graça! -
com um vasinho o amordaça...

Depois, ancho, sai vingado...
Lembrai-vos, meninos! Quando
alguém faz bem pelo bem,
nada espera de ninguém...

SOVADO EM CARICATURA

Globi rufa com vigor -
- RATAPLÃ - o seu tambor.
Rufa com gosto, supondo
que agrada a todos o estrondo.

Mas grita-lhe o Pinto Antão,
seu vizinho: Oh, barulhão!
Moleque, deixe isso um pouco!
Estou zonzo e fico louco!

Depois, nervoso como é,
pespega-lhe um pontapé.
Vergonha! Globi, correndo,
vai-se, raivoso e tremendo.

Pensa em vingar-se e, magoado,
rosna, de rosto fechado:
Olho por olho! Está bem!
Dente por dente também!

Em casa, com arte rara,
no tambor pintou a cara
do vizinho, à tinta preta.
Ficou perfeita a careta!

E saiu no mesmo dia,
sovando-a, por picardia,
baqueteando-a... Feia ação!
Vendo-a, pula e bufa o Antão...

BOAS INTENÇÕES, FINALMENTE!

Globi, com muita freqüência,
tem enganado a consciência.
Seu livro de vida o aponta,
pois registra erros sem conta...

Para a vida melhorar,
resolve o bem praticar.
Sai ao acaso e, passeando,
descobre um homem pescando.

Toma o balde do pescado,
joga este ao rio e, calado,
pensa: Aos peixes libertei.
Fiz-lhes um bem e acertei!

Sai correndo e, pouco após,
aparta a briga feroz
de um casal de irmãos fedelhos,
que acalma com bons conselhos.

Por fim, a casa chegando,
diz ao pai que está fumando:
Largue esse vício! Afinal,
o charuto lhe faz mal!

Depois, no Livro da Vida,
de alma altiva e comovida,
anota essas três vitórias,
que considera três glórias...

Entrou por uma porta e saiu por outra...
Quem quiser que conte outra!

Voltar