VITÓRIAS E DERROTAS DE GLOBI
Título original:  GLOBI'S SIEGE UND NIEDERLAGEN
Criação de J. B. Schiele
Desenhos de Robert Lips
Narração de Alfred Bruggmann
Tradução de Luiz Gonzaga Fleury
Animações de Maux

 

TEMPORAL ÀS MARGENS DO SENA

Ali está o alfarrabista.
Talvez seja velho artista...
Se livros e quadros vende,
seu negócio pouco rende.

É tradição velha a cena
de alfarrabistas do Sena.
Oferecem muitas vezes
raridades aos fregueses.

Junto das caixas abertas
permanecem sempre alertas.
São elas velhas e escuras.
Têm livros, quadros, pinturas...

Globi, coração de artista,
comprou de um alfarrabista
desenhos interessantes
por poucos soldos restantes.

E lá se foi satisfeito...
Mas um temporal desfeito
arrebatou para os ares
os preciosos exemplares...

Ficaram todos molhados
e, além disso, amarrotados.
mas a ferro Globi, então,
po-los lisinhos, pois não!

GLOBI NO MERCADO

  As Hales são as primeiras,
são as maiores das feiras
ou mercados de Paris,
conforme sempre se diz.

Têm de tudo em quantidade.
Alimentam a cidade.
Ali se vêem, com fartura,
frutas, cereais ou verdura.

Carnes, salsichas, presuntos,
ovos, queijos, aves, untos,
porcos, carneiros, cabritos,
peixes crus e peixes fritos...

Pela manhã. os caminhões
descarregam, aos montões,
as várias mercadorias,
cestas, caixões, sacarias...

Globi comprou no mercado
um porco que viu deitado
numa cesta. E logo o atou
às costas e o carregou...

Transportava o animalão
quando cai, a um tropeção...
Muda-se cena às avessas:
o porco o carrega às pressas...

ADEUS, PARIS!

Ao guarda-chuva suspenso,
lá vai Globi pelo imenso,
pelo borrascoso espaço...
Mas é forte! Tem mãos de aço!

Sobe e sobe, mais e mais...
Supõe não voltar jamais
a Paris... E diz-lhe adeus,
pesaroso, lá dos céus...

Apesar de estar chovendo,
os parisienses correndo,
vem às ruas para ve-lo.
Supõe tudo um pesadelo...

"Está perdido! Que horror!"
dizem cheios de terror.
"Adeus Paris" faz Globi.
"Meu coração fica ai..."

Depois, dando um hábil salto,
ele aterrissou lá no alto
em linda nuvem... Salvou-se!

...................................................

Por ora, a história acabou-se...

 

Entrou por uma porta e saiu por outra...
Quem quiser que conte outra!

Voltar