Chute a Lua

Os clubes existentes na cidade de Piquete não tinham piscina. A FPV inaugurou a sua em 27 de agosto de 1954, com o nome de Marechal Aquino.

Destinada a atender os servidores militares e civis, com seus respectivos dependentes, o uso da mesma ficou distribuído por círculos: Circulo A – oficiais, químicos e engenheiros civis; Circulo B – subtenentes, sargentos, encarregados e mestres; Circulo C – demais funcionários.

Os visitantes apresentados por militares ou funcionários permaneciam no círculo de quem os apresentavam. Os saudosos funcionários João Pereira e Romeu Faria ficaram incumbidos de orientar e fiscalizar a freqüência dos banhistas.

Alguns meses após a inauguração, os círculos B e C passaram a ser os mais freqüentados, principalmente pela molecada que trocou os banhos de rio pela água azul da piscina.

O saudoso João Pereira aproveitou-se desse mister e passou a ministrar aulas de natação e saltos ornamentais, para ver se descobria algum garoto que demonstrasse aptidão para alguma das práticas.

O saudoso amigo Paganini Masiero costumava praticar saltos de ambos os trampolins. Com a orientação do João Pereira chegaram ao salto que denominaram “chute a lua”, que consistia em sair correndo pelo trampolim mais alto, jogar o corpo de costas para a água e, nas alturas, chutar o vazio, rodar o corpo e cair de cabeça, procurando espalhar o mínimo de água possível.

Esse salto tornou-se tão comentado e discutido, que outros garotos passaram a praticá-lo; no entanto, a quase perfeição cabia ao Paganini.

A piscina ficava aberta à visitação de terça-feira a domingo, nos horários distribuídos a cada círculo. Nos meses de verão, quando o horário era alterado, a sirene de encerramento tocava às 20h, quando o sol também costumava se despedir.

Logo que a piscina foi inaugurada, correu um diz-que-diz entre a molecada de que a água era tratada com cloro e, se alguém urinasse nela, seria formada uma coroa colorida em volta do mijão e, conseqüentemente, o mesmo seria identificado e caçada a sua carteirinha.

No início, talvez essa artimanha tenha surtido efeito, pois não se ouvia falar do assunto...

Edival da Silva Castro

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá

 

voltar