LAVADEIRA

Ai, como dói fundo!
Na beira do tanque,
as pilhas de trouxas
que não tuas
e a que te não poupas.

Teus filhos
nos longes do mundo,
de maneira esquecida,
feito um varal de roupas
encardidas
de vida.

Sérgio L. Maduro
Página formatada em 14 abr de 2006

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá

 

voltar