Mães

Quero pensar em todas:
as presentes, as passadas, as futuras.
Em todos os tempos são iguais.
Severas, dóceis, amorosas,
somos pedaços delas,
sem a magnitude de suas virtudes,
sem a paciência inexorável, 
sem a dor de suas lágrimas,
sem o amor infindável,
principalmente, sem o segredo maior:
a divindade que Deus lhes deu...

 Ana Maria de Gouvêa (A.G.)
Página formatada em 19 jul 2004

 

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá

 

voltar