Permita-me sonhar...

Eu queria ser um pedaço de lua.
Eu queria ser um pedaço de mar,
de flor, de chão...

Eu queria ser um pedaço de amor,
uma canção incompleta,
uma ilusão...

Eu queria ser o poema sem fim,
a pintura eterna,
o relógio sem corda,
o lençol rasgado e manchado de amor.

Eu queria ser a água da chuva,
o canto desafinado,
o sapato furado...

Eu queria ser essa mulher amada
que abraça o nada e tem tudo
num instante impossível de se entender.

Sílvia Mota
Página formatada em 01 mar 2006

 

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá

 

voltar