Poço Fundo

Poço Fundo! Poço Fundo!
Nostálgico, hoje me afundo
na lembrança do meu tempo,
minha infância do teu tempo.

Poço Fundo! Poço Fundo!
Grande lago na memória
escondendo mil estórias...
Realmente tragaste gente
pro âmago do teu ventre?

Poço Fundo! Poço Fundo!
O rio que te formava,
como o tempo, corria...
Eu me passava, crescia...

Poço Fundo! Profundo...
Poço raso, ocaso...
Poço findo, fluindo...
Calças curtas, molecagens,
transportaste as traquinagens...

Poço Fundo! Poço Fundo!
Desgastaste, desgastei-me...
Morreste, restei-me...

Agora, na lembrança
repleta de escaninhos,
vejo-me criança
em cada um dos cantinhos...
Tornei-me com a idade,
fundo poço de saudade...


José Palmyro Masiero
Página formatada em 24 jul 2004

 

 

 

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá

 

 

 

 

 

voltar