PIQUETE - CIDADE PAISAGEM
TRADIÇÕES E FOLCLORE

Bois de Carnaval

Foto de Lety

Bois de Carnaval

Por ocasião do Carnaval é comum encontrarmos pelas ruas de Piquete o tradicional "Boi de Carnaval", uma variante "pobre" dos folguedos de "boi" das regiões Sul, Norte e Nordeste do Brasil. Trata-se de um grupo de jovens em que há um "toureiro" que lida com o boi e alguns mascarados alegres acompanhados de duas ou três "burriquinhas". A figura principal - o boi - é uma armação de madeira e taquara recoberta de tecido, no qual são pintados os contornos básicos do animal, sem maiores requintes. A cabeça é um crânio de boi com chifres, pintado e fixado à armação do corpo. Dentro desta vai um rapaz que tem as funções de fazer com que o animal ganhe vida - ande, corra, dance, pule o tempo todo e assuste o povo com inesperadas corridas e bufadas características. Um estribilho era comum até há algum tempo:

"Avança, avança, meu boi,
Pro lado que tem mais gente"

 

Variantes desse folguedo existiram em outras cidades do Vale do Paraíba e Litoral Norte. Parece-nos, no entanto, que apenas Piquete mantém viva essa tradição. Na cidade, a partir de janeiro, por diversas ruas, logo no início da noite, grupos de crianças e seus bois saem para brincar. Não é possível precisar quando o boi foi introduzido em Piquete. Segundo Carlos Vieira Soares, incansável defensor da cultura piquetense, o boi de carnaval já existia por aqui em 1927, quando um grupo fantasiado, composto por mais de quinze pessoas e comandado pelo Sr. Brasiliano Costa, cantava músicas carnavalescas acompanhando um boi. Dentro da armação ficavam escondidos dois homens: um na frente, olhando por um buraco, e outro na rabada, equilibrando-se e dividindo o peso. Carlos Vieira relata também que mais tarde apareceu o boi organizado pelo Sr. Jorge Marques e, em seguida, o do Sr. Albino Rodrigues Pereira, que também fizeram grande sucesso. E na década de cinqüenta, tivemos o afamado "boi do Olavo Pinho" alegrando o nosso Carnaval, só que agora com apenas um homem dentro da armação e sem as burricas.

Texto e fotos publicados no Jornal "O Estafeta"
Piquete, SP - fevereiro de 2005

Nos Pastos da Folia

Todos os anos os bois-de-carnaval invadem nossas ruas e praças. Neste ano de 1999 o número aumentou consideravelmente; daí um meu amigo dizer-me: "Acho que não vai ter pasto para tantos bois". Mal a tarde agoniza, eles aparecem - aos pares, em bandos ou solitários. São a mais viva e antiga manifestação folclórica carnavalesca. Podem rarear os blocos ou os foliões fantasiados, mas eles continuam desafiando o tempo e os modismos. Para confeccioná-los gasta-se pouco, principalmente se as crianças se unem e cada uma oferece sua quota de colaboração. O trabalho em grupo, além do prazer lúdico, intensifica o espírito comunitário. A taquara, ainda verde, para o corpo, é buscada, gratuitamente, nos campos ou às margens dos ribeirões. A cabeça, legítima, de osso, é procurada nos sítios ou comprada por apenas cinco reais - instala-se um comércio entre a garotada. Pano preto, branco, azulado ou colorido, para a cobertura, é tirado do baú. Tudo serve: um velho lençol, uma colcha puída, uma cortina descorada, panos abandonados nas gavetas. E o couro fica pronto num piscar de olhos. Pinta-se-lhe a cabeça com tinta preta ou branca, para contrastar com a cor do corpo. Nos chifres desgastados colocam-se cones pontiagudos. Alguns bois mais sofisticados ostentam luzes vermelhas nos olhos, que piscam cor de brasa, e luzes claras nos chifres a indicar o perigo das aguilhoadas. Pronto o animal, é só dar-lhe vida - penetrar-lhe na entranha e sair pelas ruas, em perseguição à criançada. lnicia-se a coreografia - bois que dançam, investem, recuam. Gritaria. Algazarra. Corre-corre. Tropeções e tombos. Bois e crianças num torvelinho emaranhado de pernas e braços. Mas ninguém sai machucado. Às vezes, um boi perde o equilíbrio e cai, sua cauda violentamente puxada por um menino afoito e destemido. No chão ele fica, estatelado, por alguns minutos, rodeado de gritos, vaias e risadas. Ei-lo, de repente, em pé, para novas investidas. Alguns, cansados, sentam-se nas calçadas, para reabastecer-se de forças e reiniciar a brincadeira. Às janelas, crianças pequeninas contemplam, curiosas e cheias de medo, o espetáculo, como se os bois fossem de verdade, ameaça para os seus verdolengos anos. Portões e portas fechados, para se evitar possível invasão nas salas e jardins. Tudo termina, noite avançada, pés empoeirados, frontes coroadas de suor. E a cena repete-se nas ruas do sono, o menininho ou a menininha a vislumbrar o boi da cara preta a forçar portas e janelas. Por vezes, o boi é tão grande que são necessárias duas pessoas para fazê-lo caminhar. Então parece real, com quatro patas. E o seu gingado é mais musical. Assim eram os bois feitos aqui em Piquete, há muitos anos, pelo Olavo Pinho e o Ledo Moreira de Andrade. Imensos, confeccionados com esmero, eram a alegria do Carnaval, esperados com ansiedade. Valia a pena sair de casa, à noite, para admirá-los. Carnaval sem os bois do Pinho e do Ledo não era Carnaval. Cita o Sr. Carlos Vieira, numa crônica, um fato pitoresco associado ao boi do Pinho. Este, a fim de um descanso, solicitou a um companheiro que o substituísse dentro do animal. Chegaram em frente a um armazém; onde pararam para algumas talagadas de pinga. Todos entraram, exceto o boi. Depois de dez minutos, o substituto do Olavo Pinho, inconformado com o calor e a demora, jogou a armação para um lado e, chegando à porta da venda, berrou: "Como é, minha gente! Será que boi não bebe?" Isto aconteceu na década de cinqüenta. Por aqui há bois para todos os gostos: pequenos, médios e grandes, brancos, pretos, marrons, azulados e malhados. Há, também, bois surrealistas, semelhantes a um jardim, o couro recamado de flores coloridas. Comum a presença de bois mirins: o corpo - um cabo de vassoura, a cabeça - uma pequena lata de óleo, os chifres - dois tocos de madeira, o couro - um pano qualquer, o rabo - uma tira ou um pedaço de corda. E lá vai o meninote a mugir, a correr de um lado para o outro, boi bravo a perseguir a garotada da vizinhança. Não satisfeitos com ruas e praças, muitos bois vão para a avenida, onde saracoteiam ao som das baterias. E lá exibem, com destreza, suas artimanhas, à luz dos holofotes e os aplausos da multidão. Findo o Carnaval, aposenta-se o boi, por um ano. Lá vai ele para o curral doméstico: o animal folião num quarto de despejo ou num ranchinho do quintal, a ruminar o silêncio e o ostracismo. É preciso que ele repouse, cansado de tantas peripécias. Não se sabe quando o boi surgiu no nosso Carnaval de Piquete. Sua raiz mais remota, segundo Câmara Cascudo, está na Península Ibérica, onde os "bois fingidos" desfilavam diante dos reis e dos nobres. Ele vem de muito tempo, da época do entrudo e dos limões-de-cheiro. Aqui chegou e ficou, revitalizado pelas tropas e boiadas que desciam a Mantiqueira e atravessavam a cidade, na busca de Lorena e Guaratinguetá. Que eles continuem entre nós, cada ano mais numerosos, a pastar nos campos da folia, com sua magia mítica para encanto das crianças.

Coluna do Chico Máximo
Jornal "O Estafeta"  - Piquete, SP

 

 

Voltar

| Home | Contato | Cantinho Infantil | Cantinho Musical | Imagens da Maux |
l
Recanto da Maux | Desenterrando Versos | História e Genealogia l
l
Um Herói nunca morre l Piquete - Cidade Paisagem l
MAUX HOME PAGE- designed by Maux
2003 Maux Home Page. Todos os direitos reservados. All rights reserved.