PIQUETE - CIDADE PAISAGEM
SÍMBOLOS

PÓRTICO DA F. P. V.
Patrimônio Arquitetônico em Piquete

 

 

 

 

 Inaugurado às 8 horas do dia 19 de novembro de 1955. A inauguração, a princípio, estava marcada para o dia 15/11, como registra a placa alusiva ao ato, data em que se comemora a Proclamação da República. Aconteceu, porém, que no dia 08/11, uma crise cardíaca levou ao hospital o então Presidente da República Café Filho. Assumiu o governo o Presidente da Câmara, Carlos Luz. No dia 11, o General Lott, Ministro da Guerra, destituiu Carlos Luz, por suspeita de golpe. Assumiu a presidência Nereu Ramos, Vice-Presidente do Senado. Devido a essas anormalidades políticas e à expectativa do desenrolar dos fatos, a inauguração, adiada, aconteceu apesar da ausência das autoridades militares convidadas. Por isto, consta da placa de inauguração a data de 15/11/1955. 

O pórtico foi projetado pelo Prof. Antonio César Dória, professor do Departamento de Assistência Educacional da FPV, diplomado pela Escola Nacional de Belas Artes. O cálculo das fundações e da estrutura, bem como a construção, foram trabalho do Major Engenheiro Construtor Leônidas Pinto Pacca. A execução dos baixos-relevos foi do próprio Prof. Dória, auxiliado, na parte de montagem e massas, pelos servidores Illydio Moura da Silva e Luiz Dotta. 


Construção do pórtico pelos operários da FPV. No centro do grupo de obra, o Diretor da FPV, Cel. Abreu Lima e o Prof. César Dória. Entre os operários, destaca-se, em pé, sétimo da direita para a esquerda Octávio Ignácio da Silva (Sr. Tavico). Ele atuava como mestre de obras, sendo chefe dos pedreiros.
Em 04/11/1955

 Apresenta o monumento quatro painéis decorativos de 5,10 m por 3,20 m cada um, dois voltados para a cidade de Piquete (face anterior) e dois para a zona militar, simetricamente dispostos, além de três medalhões em cada uma das faces, localizados na parte superior do pórtico. Os do frontão anterior reproduzem as Armas da República e as efígies do Presidente Dr. Francisco de Paula Rodrigues Alves e do Marechal Francisco de Paula Argolo, Ministro da Guerra (1902-1906).

 Na face posterior, em correspondência ao medalhão das Armas da República, encontram-se em transcrição os dizeres da placa comemorativa da inauguração da Fábrica de Pólvora sem Fumaça. A placa original foi instalada, inicialmente, na chaminé da Casa de Força. Hoje, a placa se encontra no cassino dos oficiais, na Vila da Estrela. 

Nos dois medalhões que ladeiam aquela transcrição encontram-se as reproduções de diplomas concedidos à Fábrica de Pólvora sem Fumaça, por congressos internacionais. 

 

Para facilitar a identificação dos painéis, o observador, vindo pela Av. Luiz Arantes Júnior deverá olhar de frente, para o pórtico. O painel da esquerda é o número 1 e o da direita, o número 2. Correspondentemente a estes, na face posterior, estão os de número 3 e 4. 

1. Homenagem à Pátria brasileira: Uma figura de mulher, com indumentária clássica (peplo), tendo à cabeça o barrete frígio, símbolo da república, empunha o pavilhão nacional e tem na mão direita um ramalhete de flores. Dezoito figuras representam o Exército, a Marinha, e a Aeronáutica, o clero e civis, em aclamação à Pátria. 

2. Homenagem às Classes Armadas: Destaca-se a figura do Patrono do Exército, Duque de Caxias, em tamanho natural, a cavalo, e em ação. Vê-se, ainda, o Patrono da Marinha, o Almirante Tamandaré, em tamanho natural, a bordo de uma corveta, e o Patrono da Aeronáutica, Alberto Santos Dumont, surgindo de uma grande asa, tendo à retaguarda, em perspectiva, a figura do Ícaro. Um capitão dos Dragões da Independência, a cavalo, rende-lhe homenagem. Três oficiais, um de cada arma, de espadas abatidas, prestam continência. 

3. Alegoria à Fábrica Presidente Vargas: Um Titã demolindo dois blocos de granito simboliza a força dos explosivos. À retaguarda dessa figura, uma engrenagem caracteriza a Indústria. Ao fundo vê-se a serra da Mantiqueira com os picos dos Marins e Meia Lua. Ladeando a passagem de pedestres, vê-se, em perspectiva, um trecho da F.P.V. 

Uma figura masculina, simbolizando o Trabalho, tem na mão um malho e, à frente, uma bigorna. Simetricamente, do outro lado da mesma passagem, uma figura feminina, representando a FPV, empunha a flâmula do estabelecimento e ampara duas crianças simbolizando a Assistência Social que é dada aos seus servidores. 

4. Alegoria à Técnica: Coroando este painel, uma grande figura de águia está à retaguarda do vulto do renomado químico francês Paul Vieille, inventor da pólvora sem fumaça, que se acha apoiado sobre um livro, símbolo da Ciência, tendo ao lado uma retorta e um gral. Uma torre de transmissão representa a técnica das Comunicações e Eletrônica, e uma ponte em arco, a Engenharia da Construção. Uma explosão atômica, caracterizada pela silhueta de um cogumelo, e um avião a jato lembram os últimos progressos nesses setores. A alegoria ainda registra um canhão anti-aéreo ladeado por dois oficiais e um tanque de guerra.

Texto do jornal "O Estafeta", transcrito na Revista Comemorativa "A Cidade - Piquete"
Conselho Municipal de Turismo de Piquete - Gestão Fevereiro 2001/2003
As fotos deste página foram gentilmente cedidas por Luciano Brasilino.
As fotos atuais, coloridas, são de Lety.

 

 

Voltar

 

 

 

 

 

 

| Home | Contato | Cantinho Infantil | Cantinho Musical | Imagens da Maux |
l
Recanto da Maux | Desenterrando Versos | História e Genealogia l
l
Um Herói nunca morre l Piquete - Cidade Paisagem l
MAUX HOME PAGE- designed by Maux
2003 Maux Home Page. Todos os direitos reservados. All rights reserved.

HostMídia - Hospedagem Profissional de Sites