DOR

Na noite fria
o frio triste me enregelou.
Na noite triste
o triste frio me emocionou.
A dor tão funda
do frio triste se confundiu
com o frio pranto dos olhos tristes
que em mim ficou...

É feio o frio
que o pranto triste me revelou.
É triste o frio
que a dor doida me demonstrou.
A triste dor tão feia e funda
que me doeu,
ainda é triste.
É fria e feia - e dói demais.

Autora: Mª Auxiliadora Mota G. Vieira (Maux)
"Poemas de uma Vida"
Página formatada em 14 mar 2003







Voltar

 

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá