FERNANDO METON

À luz surgiu, tão frágil e pequenino...
Que medo então eu tive de o perder!
Tentando agasalhá-lo, como um ninho
meus braços envolveram seu crescer.

Com minhas emoções acalentado,
minha imensa ternura respirou.
Robusto, branco, louro, tão rosado,
independente e lindo se tornou.

Um aninho faz hoje o meu filhinho.
Patinho feio em cisne transformado,
trocou por uma bola, o meu carinho.

Não quer ser pequenino o meu Fernando.
Eu quis ao colo tê-lo, aconchegado,
e ele a sorrir seguiu, engatinhando...

Autora: Mª Auxiliadora Mota G. Vieira (Maux)
"Poemas de uma Vida"
Página formatada em 06 mar 2003

 

 

 

 

 

 

Voltar