Nos teus Dezoito Anos
(Para Fernando Meton)

Eu queria compor um verso bem brilhante,
que contasse a ventura que me invade a alma,
ao ver-te, hoje, tão lindo, forte e encantador.
Eu queria compor um poema tão belo,
que traduzisse inteiro esta enorme ternura,
que sinto ao perceber a tua fortaleza.

Perdi a inspiração; não consegui compor
o soneto devido a tua maioridade.
Perdi a inspiração! Nada posso fazer...
No teu aniversário só um beijo vou te dar.
Perdi a inspiração mas sabes que és querido
e, noutro dia, por certo, uns versos vais ganhar...

Mas atenta, menino, ao pedido que eu faço,
no dia em que completas teus dezoito anos:
- És de maior idade; juízo deves ter.
Teu sorriso e encanto hão de muito crescer.

Para esta pobre velhinha que está a se acabar,
que nem consegue mais alguns versos traçar,
uma alegria, em breve, deverás lhe trazer
- e a ti também isto há de dar prazer...

Consiga bela moça, bem risonha e gentil,
que seja meiga e terna, encantadora, enfim;
que possa nos doar o presente esperado
- de todos o mais belo e o mais desejado:
UM NETO BEM FOFINHO, ALEGRE E SORRIDENTE...

Autora: Mª Auxiliadora Mota G. Vieira (Maux)
"Poemas de uma Vida"
Poema composto em 13 mar 1996
Página formatada em 16 mar 2005

 

 

 

 

 

Voltar