Trinta Anos Passados...

Onde foi que eu fiquei, a Dora Mota?
Em que instante da vida eu me perdi?
Cresci sem ter raízes e esta seiva
que enverdece meus ramos, não é minha.

Perdida sem lembranças, sem ter rosto,
vivo toda uma vida sem passado.
Onde foi que eu fiquei, a Dora Mota?
Em que dia, em que hora eu me acabei?

Cato no céu, pesquiso nas estrelas,
as emoções e os sonhos que vivi.
Mas nada encontro mais, está perdido.
Mudei o nome, a terra; o sonho transmutou...

É outra a luz, a fonte de calor.
Não sei o que gerei nem sei quem sou.
Só sinto, tristemente, num vazio,
que aquela Dora Mota se apagou...

Autora: Mª Auxiliadora Mota G. Vieira (Maux)
"Poemas de uma Vida"
Página formatada em 18 jun 2003

 

Voltar

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá