Vida de Mulher 

Tão terrível esta vida!
Vida sem raízes.
Vida já sem sonhos.
Vida de janela por trás da vidraça.
Vida de vitrine vista por quem passa.

Vida vivida somente
      prá vida dos outros,
         prás raízes dos outros,
            pros sonhos dos outros.

Vida sonhada - PERDIDA.
Vida querida - ILUDIDA.
Nem é viver por viver.
É viver só prá fazer viver...
     prá cuidar das vidas dos outros;
        prá acalentar os sonhos dos outros;
           prá alimentar as vivências dos outros.

Vida que era só minha,
     confusa,
        calada,
           fechada,
              esquizofrenizada,
mas MINHA!

Deixou de ser minha vida
para ser dos outros só.
Vida que não é mais minha:
- foi dada pros outros...
        Vibrante,
            risonha,
               falante...

A vida tão linda não é vida minha.
      Vitória,
          alegria,
             conquista...
Brilhante esta vida!

Perdida esta vida que outrora era minha,
no meio do brilho da noite vazia,
de quem vive só, no meio da vida
tão cheia de vida da vida dos outros...

 Autora: Mª Auxiliadora Mota G. Vieira (Maux)
"Poemas de uma Vida"
Página formatada em 06 abr 2003

 

  •  

     

    Voltar