VIVER

Eu não podia ser assim covarde
encerrada em meus sonhos
de pretensa realidade.
Eu não podia mais viver assim
fabricando ilusões...
Eu precisava agora ser mais forte.
Enfrentar o real, desafiar o mundo,
lutar pelo que quero!
E apenas consigo sofismar...

Depondo em outras mãos
as minhas esperanças,
contento-me, apenas,
com sonhar!...
Mas VIVER não é isso!
Eu preciso enfrentar
a verdade que existe,
que eu devo enxergar...

Ter um sonho de amor
sem torná-lo real;
encarar as estrelas
e esquecer a vida:
não é coisa possível!
Não mais ter emoções.
Ver a tudo como é.
Sufocar sensações.
- Eu preciso aprender...

Só que um enorme vazio
há de então me invadir.
Eu só vivo de sonhos...
Só imagino ventura
onde houver muito amor.
Olvidar as estrelas...
Não compor mais poemas...
IMPOSSÍVEL FAZER!!!


Autora: Mª Auxiliadora Mota G. Vieira (Maux)
"Poemas de uma Vida"
Página formatada em 26 fev 2004

 

 

 

Voltar

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá