PIQUETE - CIDADE PAISAGEM
SUA GENTE

Terezinha Generoso

 


Terezinha Generoso
Foto enviada por Vera Regina Generoso

Nascida em 09 de outubro de 1929, Terezinha Generoso, filha de colonos negros foi alfabetizada aos 10 anos de idade, tornando-se a partir dai uma leitora insaciável. Sua felicidade com as possibilidades que se lhe abriram, fez com que alfabetizasse seus pais, para que eles também pudessem partilhar das maravilhas que descobria com a leitura. Logo após mudou-se para Piquete, estudando no Grupo Escolar "Antonio João" e, posteriormente, no Ginásio Industrial, onde se tornou mestra em corte e costura e bordado. Em Taubaté, a seguir, continuou seus estudos, dedicando-se ao curso clássico. Trabalhou como professora de inglês, de espanhol, de corte e costura e violão; foi bibliotecária, locutora de rádio, modista para noivas, secretária e, finalmente, vereadora. Cunhada do "seu" Jacob, ela acompanhou o movimento do jongo em Piquete, fundando a Academia de Jongo da Vila Eleutério, com o objetivo de levar o jongo às crianças do bairro. Espírita kardecista, participou sempre das atividades do Centro Espírita "Deus e Caridade" como secretária, evangelizadora, palestrante, dirigente da Mocidade Espírita de Piquete e Coordenadora da "Campanha do Quilo". Teve sete filhos e os educou sozinha, com muitas dificuldades financeiras, priorizando a educação no seu sentido mais amplo e sempre respeitando os preceitos da moral e da ética. No ano de 1976, candidatou-se à Camara Municipal de Piquete, sendo eleita vereadora pela primeira vez. Reeleita sempre, permaneceu no cargo até o ano de 1990, quando faleceu, no mês de julho. Na Camara Municipal foi autora de vários projetos como: transporte gratuito para alunos carentes, assistência médica para mulheres, obra para acabar com a enchente da Vila Eleutério, construção de Creche e Escola Municipal, transferência da APAE para a Escola Municipal, solicitação de verbas para o Fundo de Solidariedade do Município, construção das caixas d’água da Vila Cristiana e Morro do Querosene, construção de parque e praças, reajuste salarial dos funcionários públicos municipais, melhores condições de trabalho para os funcionários da Cozinha Piloto e Horta Municipal, entre outros.

Texto gentilmente enviado por Vera Regina Generoso


As Flores de Piquete
Foto de Lety

Piquete

Piquete! Terra linda.
Lugar amado, onde nasci.
Peço a Deus que te proteja
e nunca se esqueça de ti

Tuas glórias no passado,
foi teu povo a trabalhar.
E hoje, amanhã e sempre
a tradição vamos honrar

Teu cenário mui singelo:
o rio, a ponte, a matriz;
teu sol e tuas montanhas
fazem a poetisa feliz.

O futuro há de ser grande
sob teu lindo céu de anil.
És a “cidade paisagem”
no coração do meu Brasil.

Terezinha Generoso


 

MINHA HOMENAGEM

Sempre achei que em minha homepage faltava destacar Terezinha Generoso. Insisti muito com suas filhas até que a Vera me enviou os dados para a confecção dessa página. Eu cresci com a Terezinha. Amiga da mamãe, participante nos movimentos espíritas da cidade, ela sempre me chamou a atenção por sua luta e pela conquista de seus objetivos. Uma das lembranças mais ternas que tenho dela (e solicitei a Vera que me conseguisse uma foto do acontecimento) foi quando de seu casamento. Espírita convicta, ela desejava casar-se de branco, com sua união abençoada por Deus, mas não se casaria na igreja católica, apenas para obter isso. Lembro-me que ela esteve na minha casa e discutiu o assunto com meus pais. Queria casar-se no Centro Espírita, com uma sessão de preces, numa cerimônia que festejasse o evento. Mamãe contestou: "Terezinha, vão falar. Isso nunca aconteceu aqui e jamais li nenhuma referência a casamento em Centro Espírita." "Pois Mariinha, o meu será o primeiro..." E foi. Terezinha casou-se de branco, com véu e grinalda, no Centro Espírita "Deus e Caridade". Eu me recordo dela, sentada ao lado do noivo, recebendo as orações. Isso me encantou e estimulou a minha imaginação de pré-adolescente: a sua força, a sua determinação. Como mamãe previa, aconteceram as criticas por parte de pessoas que não aceitavam as mudanças. Mas Terezinha selou sua união da forma que desejava, segundo o que acreditava. Afastada pelo destino da minha cidade, tomei conhecimento da continuidade de sua trajetória, como vereadora, líder, orientadora e lutadora pelas causas sociais. Uma mulher bem atual: na ocasião, à frente de seu tempo. Mulher, negra, sem grande poder aquisitivo, família numerosa, Terezinha pertencia a uma parcela da população brasileira, hoje rotulada de "minoria" pelos politiqueiros de plantão. Mas ela conquistou seus espaços, criou seus filhos, lutou por seus ideais sempre. Se foi discriminada, não se limitou por isso; se sofreu pela incompreensão de pessoas mesquinhas, ultrapassou o sofrimento e os preconceitos e seguiu em frente, construindo sua história.
O resgate dessa figura ímpar me fez retornar ao que há de mais limpo e puro em minhas lembranças: a verdade, a honestidade, a capacidade de luta. Atuando com mulheres em minha vida profissional, quando as ouço contar de suas fraquezas, de suas dificuldades para mudar a própria vida e o destino, cito sempre Terezinha Generoso. Pensam ser uma personagem inventada por mim, principalmente pelo seu sobrenome, que não existe no Nordeste; ficam surpresas quando eu afirmo ser uma mulher que conheci menina ainda. Por tudo isso, pela sua luta e integridade, Terezinha não podia deixar de estar presente aqui. Tenho certeza que se soubesse dessa página diria ternamente: "Dorinha, você lembrou de mim, obrigada!" Mas quem agradece sou eu, pela lição de vida que ela nos legou.

Maria Auxiliadora Mota Gadelha Vieira


Família Generoso: da esquerda para a direita - Vera, Oraida, Gersú, Oni e Rosa; no centro Denizard

 

Quando biografamos uma pessoa, não podemos relatar apenas o que ela construiu enquanto viva: é importante tomar conhecimento do que deixou imortalizado para a posteridade. Penso que aquilo que nossos filhos se tornam no decorrer de sua vida, retrata melhor do que títulos, diplomas e medalhas o sucesso de nossa vida. Há um ditado que diz: "Pelos bons frutos se conhece a boa árvore". Vejamos os frutos que Terezinha Generoso deixou na Terra.


Marco Antonio, filho da Vera.

Oraida

Filha mais velha, foi a grande companheira de Terezinha e sempre a acompanhou em todos os sentidos. Nasceu para cuidar das pessoas, pois ajudou a mãe a cuidar dos irmãos, quando pequenos, e até hoje cuida de muita gente. Oraida cresceu e estudou em Piquete. Aos 19 anos radicou-se em São José dos Campos, trabalhando como professora na prefeitura municipal. Estudou Direito, Letras e Pedagogia; ama música, esportes e cultura; nada, caminha, canta num coral, estuda violão, pinta telas,etc. Trabalha como professora e em obras sociais. Na Pequena Casa de Maria ajuda mães, adolescentes e crianças, num atendimento de assistência social e espiritual. É amada por três filhos, um neto e milhares de alunos que considera como seus filhos. 


Araruã e Ana Teresa, filhos da Oraida

Oni

É a segunda filha, muito inteligente, dedica-se ao estudo da Bíblia. Evangélica, decidiu fechar o salão de cabeleireira e trabalhar para Jesus. Ora no monte, na casa de pessoas doentes, na igreja e em casa, sempre dedicando uma palavra de consolo a quem necessita. Herdou a veia política da mãe: militante petista, participa dos Conselhos de Saúde. Também é artesã, atuando como professora de artesanato na Escola da Família. É a tia querida dos sobrinhos que sempre vão à sua casa levando amigos e namorados para comer seu macarrão. Possui duas  filhas moças. Quando os irmãos precisam, ela vai nas casas orar. É muito sábia. Gosta de cantar (tem uma voz linda); fez cursos de educação da voz e cantou num coral do Novo Horizonte. Atualmente cursa a faculdade de Serviço Social.


Luis Fernando, filho da Vera.

Vera Regina

É a terceira filha de Terezinha. Nasceu no Carnaval, talvez pensando que a vida era uma festa. Adora dar festa em sua casa, receber toda a família. Vive cercada de sobrinhos, sejam eles de sangue ou do coração. É muito estudiosa, autodidata, pedagoga, pós-graduada em psico-pedagogia e em educação ao portador de necessidades especiais. É tão alegre que parece que o mundo é todo dela. Vive na maior paz: adora o marido e os dois filhos e é muito amada por todos. 


Mariane, Isabela e Isolina, filhas da Rosa

Rosa

Rosa é muito parecida com Terezinha: é muito família, com três filhas e dois netos. Resolveu trabalhar como cabeleireira em casa pra poder cuidar das meninas e hoje cuida dos netos, que são a sua alegria. Herdou também da mãe a capacidade de cuidar das pessoas. Não pode ver ninguém em dificuldade que ajuda, leva pra sua casa e faz o seu melhor. Junto com o seu marido colabora no Desafio Jovem destinado à recuperação de jovens, com campanhas de arrecadação e visitas. É uma tia muito preocupada com os sobrinhos, sempre incentivando e aconselhando. Também trabalha na igreja, geralmente responsabilizando-se pelas comidas das festas, os bolos, os caldinhos, os banquetes. Possui um tempero jamais visto.


Da esquerda para direita: Marília (filha da Gersú), Terezinha (filha da Oni), Ana Teresa (filha da Oraida) e Luis Fernando (filho da Vera) 

Gersú

Professora de História, pedagoga na rede municipal de São José dos Campos e no ensino público do Estado de São Paulo. Evangelizadora, mãe, esposa, irmã, tia, amiga, dona de casa, tudo isso ela consegue fazer muito bem. Trabalha na assistência aos necessitados, sempre faz o que pode para atender um doente. É muito estudiosa, inteligente e corajosa. Disciplinada, mantém uma rotina de vida muito saudável.


Formatura em Direito de Ana Teresa (filha da Oraida). Da esquerda para a direita: Izabel (amiga), Oraida, Daisy (amiga), Ana Teresa, Bernadete (esposa do Zarur) e Zarur. 

Zarur

Zarur, único filho homem, é iluminado, sensível, carinhoso e muito família. Mora em Lorena e adora viver no interior. Tem quatro filhos. Muito estudioso e aplicado, o seu currículo tem tantos cursos que nem dá pra citar. No entanto, o que ele ama mesmo é o estudo bíblico e as atividades da sua igreja. Se Terezinha estivesse entre nós muito se orgulharia dele.

DENIZARD

É o caçula, a alegria dos últimos dias da vida de Terezinha, por ela adotado em 1979. Responsável, estudioso e capaz. Sendo o mais novinho, todos os irmãos também o adotaram um pouco. Possui um filhinho. Funcionário público do Estado de São Paulo, vive em Mogi das Cruzes. Gosta muito de ler e assistir filmes, muito organizado com suas coisas, pois mora sozinho e mantém tudo sempre no lugar. É uma pessoa maravilhosa.

Dados e fotos gentilmente enviados por Vera Regina Generoso

 

 

Envie esta página para:

Digite o seu e-mail

Coloque seu nome

E-mail de quem a receberá

 

Voltar