PIQUETE - CIDADE PAISAGEM
SUA GENTE

Maria Yolanda da Luz Oliveira

 

Ela veio ao mundo pelas mãos de Dona Edwirges Leite, antiga parteira, em 6 de outubro de 1930. Filha de José Isaltino da Luz e Isolina Costa Luz, que tiveram ainda mais um filho, José Alberto. Maria Yolanda da Luz Oliveira nasceu e vive na Rua São Miguel. É, atualmente, sua mais antiga moradora. Dessa pequena rua Yolanda Luz guarda as melhores recordações da sua infância. O movimento por ela era grande e aumentava quando o som de berrantes anunciava a passagem de boiadas vindas de Minas. Era um corre-corre para recolher as crianças e fechar portas e janelas, evitando-se, assim, a visita indesejada de algum animal curioso e a poeira levantada por entre o bater de cascos em marcha. Curiosa, Yolanda espiava por entre as janelas, num misto de medo e curiosidade. Era uma festa... De cada antiga família vizinha guarda uma história, recheada de afeto: Nhá Laura, Dona Nica do seu Zizinho, Dogmar da Costa Ribeiro, seu Bili e dona Finoca, Azer Arantes e dona Ambrosina, Chiquinho Ribeiro e dona Olímpia, José Pfeil, os Jansen, os Vilar... Dessa época, Yolanda recorda-se da construção do Salão da Banda. A partir de então, duas vezes por semana, quando ocorriam os ensaios, "minha rua era musicalizada por valsas e dobrados..." A Banda era a paixão de seu pai, o Juca Luz. Freqüentou o Grupo Escolar de Piquete, cujo diretor era o professor Luiz de Castro Pinto. Aplicada aos estudos, foi alfabetizada pela professora Celina Guimarães. Nos segundo, terceiro e quarto anos, foi aluna de dona Maria Vieira Campos, que lhe despertou o gosto pelo Magistério. Ressalta que a partir do terceiro ano, com a construção do Grupo Escolar Antônio João, os alunos foram todos transferidos para esse novo prédio. Com a criação da Escola Industrial Feminina, nela matriculou-se e a freqüentou por dois anos. Por orientação do professor Leopoldo M. M. Netto, foi cursar o "Ginásio", em Lorena, no "Patrocínio São José", já que desejava seguir o Magistério. Nesse período, sua mãe e dona Ermínia Cerizza, foram até o diretor da FPV, general Aquino, e ao Coronel Monte, diretor do Departamento Educacional, pleitear a criação do Ginásio Industrial de Piquete, o que foi aceito. Yolanda retornou, então, para Piquete, onde cursou o terceiro e quarto anos. Concluído o ginásio, matriculou-se, novamente, no Patrocínio São José, para cursar o Magistério, formando-se em 1950. A convite do professor Leopoldo, veio lecionar na escola por ele dirigida. Concursada, trabalhou por curto período em Cunha/SP, retornando a Piquete. Em 1957, assumiu uma cadeira no Grupo Escolar Antônio João: nessa tradicional escola piquetense trabalhou até a aposentadoria, em 1981. 


Em festa de aniversário de Ramon Câmara, Mariinha Mota e Yolanda Luz.
Foto do arquivo de Mariinha Mota

O Antônio João é um capítulo especial de sua vida. Recorda-se dos diretores Carlos Ramos, Osmar Simas e Ruth Brasil. Das colegas de trabalho, Conceição Soares, Maria do Carmo, Milita, Wanda Guedes, Eunice Fernandes, Mirthes Chaves, Irene Sorbile, Mariinha Motta, Dorotéa... Cita, também, os funcionários Júlia, Maria Benjamin, Deja, seu Silvestre... Gosta de lembrar os desfiles escolares, as campanhas beneficentes e, principalmente, de "centenas de rostinhos infantis das classes de segundo ano, a que sempre lecionei". Em 1953, casou-se com Joaquim Francisco de Oliveira, o Quinzinho,que conheceu durante o período de Ginásio, em Piquete. Tiveram dois filhos, Pedro Carlos e Maria Aparecida, e dois netos. Religiosa, Yolanda foi, por muitos anos, catequista e instrutora o curso de noivos.

"Gente da Cidade" - Jornal "O Estafeta" 
Piquete, SP - Agosto de 2006


Entre os alunos do G. E. Antonio João
Foto publicada no
Jornal "O Estafeta" 

 

Voltar