"Me dá um Dinheiro aí"

 

A marchinha de carnaval "Me Dá Um Dinheiro Aí", de autoria do trio Homero, Ivan e Glauco Ferreira, foi lançada por um jovem humorista da televisão, Moacir Franco. 

Natural da cidade mineira de Ituiutaba, Moacir Franco (05.10.1936) iniciou sua carreira artística no ano de 1953; apresentava-se no programa "Astros e Estrelas de Amanhã" na Rádio Difusora de Uberlândia. Um cantor pouco conhecido, Aluísio Silva, reconheceu algumas qualidades no jovem iniciante, conseguindo-lhe uma vaga para se apresentar na PRK-7, Rádio Club de Ribeirão Preto, São Paulo. À essa época, adorava imitar um jovem cantor norte-americano, que fazia então grande sucesso, o dramático Johnny Ray, além de, também, se apresentar como radioator e comediante. Em 1958, decide se mudar para o Rio de Janeiro em busca de melhores oportunidades, caindo, na verdade em uma armadilha da sorte; nada conseguiu durante meses e, sem dinheiro e amigos influentes, passou sérias dificuldades financeiras, tendo que dormir, às vezes, até em uma ambulância na garagem da prefeitura, devido à bondade de um conhecido. Não agüentou o tranco e resolveu tentar a sorte na capital paulista. Por essas ironias dos deuses da sorte, faz um teste na Rádio Nacional de São Paulo, sendo imediatamente contratado devido a sua notável versatilidade. Nessa emissora, atuava em diversas áreas, apresentando-se como cantor, dublador, radioator, locutor e humorista. 


Manoel da Nóbrega

Foi nesse último campo que ele chamou a atenção do poderoso homem de televisão, Manoel da Nóbrega, cujo programa humorístico "Praça da Alegria", da TV Rio, era um dos mais populares do país. Contratado pela emissora, começou a atuar nesse programa, no "O Riso é o Limite" e no "Noites Cariocas". Nessa mesma época, mais uma vez, o inesperado fez-lhe outra surpresa: o escritor e humorista Glauco Ferreira teve que substituir Silva Araújo no programa "Rio te Adoro" da mesma emissora. Glauco resolve então criar um quadro humorístico para aproveitar a veia cômica de Moacir. Lembrou-se então de um velho pedinte que esmolava na Praça Quinze, que, de forma bastante arrogante, estendia o braço com a mão espalmada à altura do ventre do freguês e, com uma voz rouca, pedia – pedia, não, exigia – "me dá um dinheiro aí". Moacir seria o mendigo, dividindo a cena com Hiran Lima. 


Moacir Franco e Manoel da Nóbrega

O quadro imediatamente caiu no gosto popular. A cidade inteira, principalmente a garotada, começou a imitar o gesto do mendigo e exigir "me dá um dinheiro aí", todos logo caindo na gargalhada. O artista mineiro imediatamente entrou na galeria dos jovens humoristas a fazer sucesso na cidade, ao lado de Jô Soares, Catalano, Ronald Golias, Canarinho, Jorge Loredo, Nádia Maria, Antônio Carlos, Sônia Lancelotti e outros mais. 


Manoel da Nóbrega e Ronald Golias

Para aproveitar a recente fama, Glauco Ferreira, juntamente com Homero e Ivan, compuseram a marchinha "Me Dá Um Dinheiro Aí", que se transformou em um fenômeno de popularidade nesse carnaval, vendendo, quase que imediatamente, 100 mil cópias e sendo a mais cantada pelos foliões e a mais executada nos bailes carnavalescos país afora. Seu êxito atravessou os tempos, seu refrão é até hoje reconhecido em todo o país, sempre sendo cantada nos carnavais da saudade:

"Ei, você aí
Me dá um dinheiro aí
Me dá um dinheiro aí(bis).

Não vai dar
Não vai dar não
Você vai ver
A grande confusão
Que eu vou fazer
Bebendo até cair
Me dá, me dá, me dá (ei)
Me dá um dinheiro aí."

Esta música rendeu uma história curiosa; não se sabe quem, mas alguém descobriu nas páginas da revista O Cruzeiro uma foto de Juscelino e do secretário de Estado norte-americano, John Foster Dulles, naquela ocasião em visita ao Brasil. 

        
JK e John Foster Dulles

O presidente levantava-se da cadeira com a mão espalmada para cima, na horizontal, enquanto o secretário o esperava, de pé, braço semi-estendido, só que com a palma da mão para baixo. Não se sabe como, mas o Jornal do Brasil conseguiu a foto e a estampou em sua primeira página. Reza a lenda que foi José Ramos Tinhorão, o furibundo crítico da música popular brasileira, quem fez o título que acompanhava a foto. Nessa época, "Me Dá um Dinheiro Aí" estava no auge de seu sucesso. Foi o bastante para que Tinhorão colocasse o texto "Me dá um dinheiro aí" para ilustrar a foto.

 
Presidente Juscelino

Também reza a lenda que Juscelino teria ficado tão irritado com a foto e o pequeno texto que teria deixado de assinar uma das concessões de canais de televisão do Rio de Janeiro que estavam sobre sua mesa – a do Canal 2 – para o Jornal do Brasil, ao mesmo tempo em que concedia outra, o Canal 4 (então praticamente concedida à Rádio Nacional do Rio de Janeiro, em uma operação que até hoje causa celeuma), às Organizações Globo.

Obs. Perdemos a referência de onde este texto foi retirado. Se alguém souber sua procedência por favor nos comunique, para que possamos fazer o devido registro.

 

Voltar

 

 

 

| Home | Contato | Cantinho Infantil | Cantinho Musical | Imagens da Maux |
l
Recanto da Maux | Desenterrando Versos | História e Genealogia l
l
Um Herói nunca morre l Piquete - Cidade Paisagem l
MAUX HOME PAGE- designed by Maux
2003 Maux Home Page. Todos os direitos reservados. All rights reserved.